HomeActualidadeEducação & FormaçãoNo dia Mundial da Saúde Mental, conheça este cowork!

No dia Mundial da Saúde Mental, conheça este cowork!

Sabia que mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão? E sabia que um em cada cinco portugueses tem um problema de saúde mental? Por tudo isto, é importante, não só neste dia 10 de outubro – Dia Mundial da Saúde Mental -, estarmos atentos a nós e a quem nos rodeia uma vez que existe ainda muito desconhecimento e estigma em relação à saúde mental. A nível da doença mental preconiza-se um modelo de intervenção comunitária, que procure manter o bem-estar psicoemocional e a melhoria das competências do indivíduo e ainda minimizar o processo de deterioração associado a crises. Tendo em conta que as pessoas com problemas de saúde mental evidenciam, muitas vezes, deterioração cognitiva e vivem situação de isolamento devido a perda de competências pessoais e sociais, é fundamental proporcionar uma intervenção alicerçada numa metodologia de recuperação pessoal. Foi o que procurou Carlos, o primeiro coworker do projeto Mind Up, da Fundação S. João de Deus.

Já tinha mais de 40 anos quando foi diagnosticado com distúrbio bipolar. Carlos, engenheiro, bem-sucedido na sua profissão, e com uma carreira promissora pela frente, viu-se obrigado, pela empresa onde trabalhava, a desistir das suas funções. Esta é, muito resumidamente, a razão que trouxe este homem para o Mind Up.

O Mind Up é o novo projeto da Fundação S. João de Deus destinado a pessoas com problemas de saúde mental que pretendam manter uma ocupação regular, alicerçada à visão de recovery. Assumindo-se como uma alternativa inovadora aos atuais Fóruns Socio-Ocupacionais, este projeto é desenvolvido em ambiente de cowork e pretende apostar no desenvolvimento de actividades significativas para os participantes, concretizadas através de projetos de equipa e na participação em projetos comunitários. No cowork está sempre presente uma psicóloga. É Filipa Aniceto, psicóloga clínica, quem diariamente acompanha os participantes do Mind Up e os ajuda a orientar os seus projetos.

Este projeto nasce da ideia de que as pessoas conferem sentido à vida quando realizam ações com sentido e significado, tendo o apoio de uma rede de suporte que acredite nas suas capacidades e os ajudem a concretizar o seu potencial. O primeiro participante do projeto, por exemplo, sempre teve interesses bem marcados que, ao longo dos anos, estiveram adormecidos, face à impossibilidade de enveredar por uma carreira profissional ligada à fotografia e ao vídeo. “De olhar a brilhar e sorriso rasgado, o Carlos fala de filmes, de planos de imagem e mostra com orgulho fotografias e vídeos de viagens que fez pelo mundo”, conta-nos a psicóloga Filipa Aniceto. A partir dos seus interesses e com o apoio da psicóloga, é no Mind Up que este coworker começa a desenvolver as suas competências através de ações de formação de edição de vídeo. “Através da mobilização de recursos internos, aprendizagem de estratégias de gestão de dificuldades, ajuda na planificação de objetivos e rotinas, e prevenção de situações de crise, pretende-se melhorar as ferramentas de manutenção de bem-estar, que facilitem a realização das actividades do quotidiano, os relacionamentos interpessoais e os projetos delineados no Mind Up”, explica Filipa Aniceto. Atualmente,  este estreante do cowork realiza diversos vídeos promocionais, em articulação com profissionais da área, fotografia actividades e projetos comunitários. “No horizonte é perspetivada uma exposição, com fotografias suas”, sublinha a psicóloga.

Como Carlos, muitas outras pessoas encontram-se na mesma situação. A doença mental não escolhe idades, carteiras, profissões ou estatutos sociais. É importante estar atento aos sintomas iniciais, mas também perceber que ter uma doença mental não é o fim da linha.



pdf icon PR-Um-cowork-no-Dia-Mundial-da-Saúde-Mental.pdf

Tags