HomeNotíciasGeralTecnologia pode poupar até 3,5 dias por mês aos trabalhadores portugueses

Tecnologia pode poupar até 3,5 dias por mês aos trabalhadores portugueses

Estudo revela que formas mais inteligentes de trabalhar podem poupar tempo aos trabalhadores e aumentar a sua produtividade

Lisboa, 11 de dezembro de 2017 – De acordo com um estudo realizado pela Ricoh Europa divulgado hoje, os trabalhadores portugueses acreditam que um melhor acesso à tecnologia poderia fazê-los poupar 3,5 dias todos os meses. Ao nível europeu quase metade das 3600 pessoas entrevistadas (47%) está convencida de que a tecnologia que utiliza no seu trabalho está aquém das expectativas de produtividade e eficiência e acredita inclusivamente que chega a perder até 42,3 dias por ano por falta dos recursos certos.

O inquérito revela que os entrevistados deseja ter uma maior componente digital no local de trabalho e 59% acredita que uma tecnologia mais inovadora teria um impacto positivo sobre a sua carga laboral. De acordo com os dados do Banco Central Europeu, o crescimento da produtividade anual diminuiu de 2% em 1995 para apenas 0.5% em 2016[1].

Dos 3600 colaboradores entrevistados, 65% afirmou que a tecnologia de automação lhes permitirá ser mais produtivos, enquanto 52% está de acordo que a Inteligência Artificial terá um impacto positivo nas suas funções. Os colaboradores vêem a gestão do email (41%) e as reuniões (37%) como as tarefas em que perdem mais tempo todos os dias, seguidas das deslocações de e para o trabalho (29%). De um modo geral os inquiridos vêem de forma positiva o potencial das novas tecnologias aplicadas ao trabalho – acesso mais imediato aos dados (44%), capacidade de trabalhar desde casa mais frequentemente (42%) e uma redução de tarefas repetidas (41%).

Ramon Martin, CEO da Ricoh Portugal e Espanha, afirma que «o que os colaboradores nos têm vindo a comentar, leva-nos a ter preocupações relativas à produtividade macroeconómica que os governos de todo o mundo já enfrentam. Uma grande parte do horário laboral é ocupado com tarefas e processos que se poderiam automatizar ou otimizar. Se libertarmos esse tempo, a tecnologia permite aos trabalhadores realizarem o seu trabalho de uma forma mais inteligente e focar-se em adquirir valor real à sua empresa».

Aos trabalhadores preocupa-lhes que a falta de investimento na tecnologia cause problemas às empresas do futuro. 36% dos inquiridos acredita que se não se realizarem investimentos, as empresas fracassarão num prazo de 5 anos. Para além disso, 46% afirma que a sua concorrência já conta com uma vantagem tecnológica.

Ramon Martin comenta também que “os colaboradores não estão a aumentar a sua produtividade devido a um acesso deficiente à tecnologia, no qual estão a desperdiçar o seu tempo de trabalho. A investigação que fizemos demonstra que os colaboradores de toda a Europa desejam que as  empresas onde trabalham os ajudem a ser mais produtivos. Um acesso mais facilitado à tecnologia tem vantagens tanto para a organização como para os colaboradores, poupando tempo e dinheiro, mediante a implementação de uma forma de trabalho mais inteligente”.

O tempo que os colaboradores acreditam que poderiam poupar no trabalho todos os meses, graças ao uso da tecnologia para trabalhar de uma forma mais inteligente, varia por toda a Europa. Em França, os colaboradores acreditam que se poderia diminuir 1,8 dias por mês, comparativamente com 5,6 dias na Rússia (mais de uma semana laboral inteira). O número de días corresponde a cada país individual como se pode verificar:

 

País

Dias

 

País

Dias

Rússia

5,6

 

Polónia

3,4

Eslováquia

4,2

 

Suiça

3,4

República Checa

3,8

 

RU e Irlanda

3,2

Alemanha

3,8

 

Turquia

3,2

Hungria

3,8

 

Espanha

3,1

Noruega

3,8

 

Áustria

2,9

Suécia

3,6

 

Finlândia

2,8

Itália

3,5

 

Dinamarca

2,1

Holanda

3,5

 

Bélgica e Luxemburgo

1,8

Portugal

3,5

 

França

1,8

Média europeia

3,5

 

 

 

 

O estudo revela ainda que os inquiridos mostram-se desiludidos com a motivação das equipas de direção das suas empresas. 72% acredita que a equipa de gestão só introduzirá uma nova tecnologia se ajudar a diminuir gastos e não para apostar no aumento das capacidades.

Ramon Martin acrescenta ainda que «as pessoas responsáveis por tomar decisões empresariais deviam aportar uma visão holística a longo prazo em relação aos custos de processos básicos. Diminuir os investimentos pode libertar capital a curto prazo, mas as vantagens do aumento da produtividade prometem grandes lucros nos próximos anos».

Mais informação em: http://thoughtleadership.ricoh-europe.com/pt/empowering-digital-workplaces/

Notas:

 – Número de dias poupados ao mês = número total de minutos poupados por ano («número médio de minutos que os inquiridos indicaram que poderiam poupar» multiplicado pelo «número de dias laborais por ano de cada país»/12/60/7,5
– Número de dias laborais ao ano = «252 (número total de dias laborais em 2017) – atribuição mínima de férias em cada país»

 ***

| Sobre a Ricoh |

A Ricoh fomenta os postos de trabalho digitais, utilizando tecnologias e serviços inovadores que permitem às pessoas trabalhar de modo mais eficaz. Durante mais de 80 anos, a Ricoh impulsionou a inovação e, atualmente é um fornecedor líder de soluções de gestão documental, serviços de TI, soluções de impressão comercial e industrial, sistemas de comunicações visuais, câmaras digitais e sistemas industriais. Com escritórios centrais em Tokio, o Grupo Ricoh opera em 200 países e regiões. No ano fiscal terminado em março de 2017, as vendas mundiais do Grupo Ricoh somaram 2.028 biliões de yenes (aproximadamente 18.200 milhões de dólares).

Para mais informações, visite www.ricoh.pt/