HomeNotíciasGeralCEIIA LANÇA CARRO-DRONE EM 2022

CEIIA LANÇA CARRO-DRONE EM 2022

 

1º PROJETO NACIONAL DE INTEGRAÇÃO DE MOBILIDADE HORIZONTAL E VERTICAL

 CEIIA LANÇA CARRO-DRONE EM 2022
FLOW.ME É O PROJETO QUE ENCERRA UM CICLO DE TRABALHO DE 10 ANOS, CRUZANDO O SECTOR AUTOMÓVEL, AERONÁUTICA E SISTEMAS INTELIGENTES DE MOBILIDADE

O Flow.me irá ser testado numa primeira fase em processos logísticos em zonas industriais para, no futuro, poder estar associado ao transporte de pessoas em serviços de sharing e on-demand nas cidades, e representa a ambição da engenharia portuguesa no futuro da mobilidade.

Imagine um táxi autónomo que troca automaticamente a estrada pelo céu para evitar um congestionamento no trânsito e chegar mais rápido ao destino pretendido. É esta a mais recente proposta do Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto, CEiiA, (www.ceiia.com) para a mobilidade do futuro.

O Flow.me resulta da integração de um carro autónomo com um drone, sendo capaz de andar em estrada ou pelo ar, consoante a conveniência, e encerra um ciclo de trabalho de 10 anos do CEiiA, cruzando o sector automóvel, aeronáutica e sistemas inteligentes de mobilidade.

“Sempre que pensamos num carro, imaginamos um veículo único, que incorpora um habitáculo, onde estão os passageiros, e um conjunto de sistemas – motor, eixos, rodas – que permitem ao veículo deslocar-se pela estrada. O que fizemos foi desconstruir este conceito, distinguindo e separando o habitáculo do sistema de locomoção. Desta forma, podemos ter vários sistemas de locomoção, adaptados aos diferentes meios, e que podem ser utilizados em estrada ou pelo ar”, explica Helena Silva, diretora-executiva do CEiiA.

“Com o Flow.me podemos ter, por exemplo, um sistema de locomoção rodoviário – com rodas – e um sistema aéreo – um drone – que são acoplados a um mesmo habitáculo em diferentes momentos”, acrescenta.

O percurso do CEiiA começou há 15 anos em torno do veículo elétrico interativo, que hoje passou de tendência a realidade. Mais tarde, há cerca de 10 anos, o CEiiA criou a unidade de aeronáutica e abraçou o desafio de participar em dois dos projetos mais exigentes desenvolvidos neste sector: o AW 609 da Leonardo e o KC390 da EMBRAER, tendo sido colocada pela primeira vez a bandeira nacional num projeto aeronáutico à escala global.

Recentemente, o Centro de Engenharia começou a trabalhar num conceito de mobilidade conectada, integrada e sustentável, desenvolvendo a plataforma mobi.me – hoje uma referência mundial na gestão da mobilidade em mais de 70 cidades a nível mundial.

“Hoje é possível combinar todas estas competências adquiridas no automóvel, na aeronáutica e nos sistemas inteligentes e abraçar o desafio de criar um novo produto de mobilidade”, diz ainda a responsável. “Com o Flow.me estamos a dar uma nova dimensão à mobilidade através da integração do transporte horizontal com o vertical”, conclui.

O drone é acoplado ao veículo, permitindo a sua descolagem e voo em áreas reservadas para o efeito, como por exemplo parques industriais de construtores automóveis, onde irá ser testado numa primeira fase, mas no futuro poderá associar-se ao transporte de pessoas em serviços de sharing e on-demand nas cidades. O veículo estará conectado em tempo real com uma plataforma de gestão de mobilidade concebida pelo CEiiA, para que possa vir a ser integrado de forma eficaz com outras formas de transporte de uma cidade onde coabitarão, num futuro próximo, veículos autónomos e não autónomos.

Este projeto conta com um investimento global estimado de €18M e está a ser desenvolvido por um consórcio liderado pelo CEiiA, em parceria com entidades brasileiras e empresas portuguesas especializadas nos setores automóvel e aeronáutico. A fase de testes com protótipo funcional em ambiente reservado está prevista para a primeira metade de 2019.

O FLOW.ME
O Flow.me tem três componentes principais: um habitáculo – onde o passageiro e a mercadoria são transportados – um sistema de locomoção rodoviário e um drone. O sistema de locomoção rodoviário é autónomo e funciona como doca para acoplar o habitáculo, estando preparado para circular de forma independente de acordo com as solicitações dos serviços. O habitáculo poderá, assim, ser transportado por estrada ou, se necessário, libertar-se do sistema de locomoção rodoviário e ser acoplado a um drone semelhante a um helicóptero, passando a deslocar-se pelo ar.
O veículo estará conectado em tempo real com uma plataforma de gestão de mobilidade concebida pelo CEiiA, para que possa vir a ser integrado de forma eficaz com outras formas de transporte de uma cidade onde coabitarão, num futuro próximo, veículos autónomos e não autónomos.

Ficha Técnica – Flow.me

Habitáculo
– Dimensões: 3 metros (aproximadamente) – Capacidade de carga: até 500 quilos – Número de passageiros: 2 a 4 passageiros (configurável)

Sistema Aéreo
– Dimensões: 6 metros (aproximadamente) – Autonomia:  3-6 horas

Sistema Terrestre
– Tipo de motorização: Elétrica – Autonomia: 200 km – Tempo de Carregamento: 30 minutos (rápido)/80%
– Carregamento: por indução e por conecção direta (ficha)

NOTAS PARA O EDITOR:

O CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto – desenvolve produtos e fornece serviços inovadores nos setores da mobilidade, aeronáutica, automóvel e mar. Em 2015, atingiu um volume de negócios de 15M€ (70% dos quais provenientes de exportações). Desenvolvendo produtos para sectores tecnologicamente avançados, usa a capacidade de I&D gerada nas universidades portuguesas para valorizar produtos e serviços nestes sectores, em articulação com as empresas associadas. Localizado em Matosinhos, emprega mais de 240 colaboradores, 85% dos quais são engenheiros.
O seu papel é colaborar e acelerar o desenvolvimento de produtos complexos, sendo hoje responsável pela exportação de engenharia portuguesa para projetos de mobilidade inteligente no Brasil. O CEiiA ajudou a capacitar Portugal para participar em qualquer programa aeronáutico do mundo. Liderou, com a OGMA, o maior programa aeronáutico desenvolvido em Portugal, o multiusos KC-390 da brasileira Embraer. No total, foram 500.000 horas de engenharia CEiiA, envolvendo várias universidades e 30 empresas nacionais. A assinatura do CEiiA está também no veículo eléctrico Buddy, desenvolvido com a norueguesa Elbill Norge e que permitiu a Portugal ter uma incorporação nacional no veículo superior a 50%, produzido na Noruega.
O CEiiA tem trabalhado num novo paradigma de mobilidade inteligente mais sustentável em parceria com os municípios e operadores mundiais, sendo um dos seus desígnios a descarbonização das cidades. Para isso, criou o mobi.me, um sistema de gestão da mobilidade já presente em 70 cidades de 10 países com mais de 400 mil utilizadores em todo o mundo. Um recente acordo com a consultora Deloitte ambiciona a implementação deste sistema a nível global.

Em conjunto com a indústria e as universidades nacionais, está a desenvolver as mais avançadas áreas do conhecimento associadas ao carro do futuro (interativo, com zero emissões, para uso partilhado e com funções autónomas).

O CEiiA tem unidades de I&D em Portugal e no Brasil e mantém equipas de desenvolvimento em França, Reino Unido, Itália e Suíça. Esta entre as entidades nacionais que mais investem em I&D em segundo a Direção Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (mais de 13 milhões de euros em 2016) e é o principal empregador nacional nas áreas de engenharia aeronáutica.

2017 marca a inauguração de uma nova área de negócio no CEiiA – no sector do Espaço. O CEiiA participa no projeto de investigação Infante, que culminará no lançamento do primeiro microssatélite português em 2020, ganhando competências na receção, processamento e disseminação de informação proveniente de satélites e constelações de satélites. O Infante (2017-2020) terá um investimento de 9,2M de euros e será desenvolvido pela indústria portuguesa, articulada num consórcio nacional que integra 9 empresas e 10 centros de I&D.

DOWNLOAD | FOTOGRAFIAS

DOWNLOAD | PRESS RELEASE