HomeActualidadeNove anos do troço Alameda / S. Sebastião

Nove anos do troço Alameda / S. Sebastião

COMUNICADO DE IMPRENSA

 


 

Nove anos do troço Alameda / S. Sebastião

 

102 milhões de passageiros utilizaram essas estações

 

O Metropolitano de Lisboa assinala no dia 29 de agosto o nono aniversário da entrada em exploração do troço da linha Vermelha que liga Alameda a S. Sebastião, que permitiu a remodelação das estações Saldanha (Linha Amarela) e S. Sebastião (Linha Azul) e a inauguração das novas estações, Saldanha II e S. Sebastião II.

Este prolongamento permitiu, pela primeira vez, interligar a linha Vermelha às restantes 3 linhas – Verde, Azul e Amarela através de uma conexão transversal a meio da sua extensão – criando uma rede de metro estruturante.

A ligação da linha Vermelha no eixo central da cidade às restantes linhas do Metro possibilitou uma melhor redistribuição de passageiros na rede do Metro facilitando as viagens que envolvam a utilização de mais do que uma linha. Ao ter proporcionado uma ligação direta entre a estação Oriente/S. Sebastião (à data de 2009) alargou a sua área de influência e reforçou a mobilidade urbana. Este projeto constituiu-se como um interface multimodal de ligação entre o sistema de transportes da AML, os transportes nacionais e internacionais que viria a ser reforçado mais tarde com a ligação ao Aeroporto (2012) com as ligações transeuropeias.

Numa  política de mobilidade sustentável, a criação deste prolongamento proporcionou ganhos de comodidade para os passageiros, expressos na redução do número de transbordos e na redução dos tempos de viagem. Nos trajetos S. Sebastião/Saldanha/Alameda os tempos de viagem foram reduzidos para cerca de 1 minuto entre estações e sem necessidade de transbordo entre linhas, face aos anteriores 10 a 20 minutos, incluindo o tempo de transbordo nas estações Marquês de Pombal ou Baixa-Chiado.

 

Este prolongamento tem vindo a ter uma importância crescente para a diminuição da utilização do transporte individual e a consequente diminuição de gases poluentes emitidos para a atmosfera no eixo central da cidade de Lisboa, como demonstram os mais de 5,4 milhões de clientes que utilizaram estas duas estações nos primeiros sete meses de 2018.