HomeActualidadeSTARLAB: LABORATÓRIO PARA ESTUDO DO ESPAÇO E DOS OCEANOS

STARLAB: LABORATÓRIO PARA ESTUDO DO ESPAÇO E DOS OCEANOS

CRIADO ENTRE PORTUGAL E CHINA

 STARLAB: LABORATÓRIO PARA ESTUDO DO ESPAÇO E DOS OCEANOS

ASSINATURA DO PROJETO ACONTECEU ESTA QUARTA-FEIRA, NO ÂMBITO DA VISITA OFICIAL DO PRESIDENTE DA CHINA A PORTUGAL E DO MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE OS OS DOIS PAÍSES.

A criação do STARLab, laboratório luso-chinês para a investigação e desenvolvimento tecnológico para o Espaço e para os Oceanos, visa desenvolver tecnologias e sistemas de engenharia para melhorar o conhecimento, a gestão e a exploração sustentável dos Oceanos e do Espaço.

Na assinatura, presidida pelo Primeiro-ministro, António Costa e pelo Presidente chinês, Xi Jinping,  estiveram presentes Ricardo Mendes, CEO do Grupo TEKEVER, e Jiancun Gong, diretor do Instituto de Microssatélites da Academia de Ciências Chinesa.

O STARLab, que será financiado em partes iguais pelos dois países e no total está previsto um investimento que ronda os 50 milhões de euros nos próximos anos e a abertura de centros de investigação e desenvolvimento em Portugal e na China.

“Para além de fortalecer uma parceria de longo prazo entre a China e Portugal nas áreas da Ciência e Tecnologia, os objetivos do STARLab estão alinhados com a iniciativa do AIR Centre, anunciada recentemente pelo governo, e que se consubstancia numa abordagem integrada ao estudo do Espaço e dos Oceanos”, refere Ricardo Mendes que considera ainda “Estarmos perante uma excelente oportunidade de acelerar o desenvolvimento tecnológico na área dos Micro-Satélites e da robótica marítima, e de criar uma infraestrutura de observação que nos permita oferecer novos tipos de serviços a toda a comunidade Atlântica”.

O laboratório conta com a participação do Instituto de Microssatélites da Academia de Ciências Chinesa, que nos últimos quinze anos foi responsável pelo lançamento de perto de quarenta satélites no âmbito de missões científicas, assim como do Instituto de Oceanografia da Academia de Ciências Chinesa, especializado na avaliação de recursos, alterações climáticas e biodiversidade, estando previsto que outros organismos na órbita da Academia de Ciências Chinesa possam vir a trabalhar com o laboratório.

Do lado nacional, a iniciativa está a ser impulsionada pela TEKEVER, com foco na área do Espaço, e pelo CEiiA (Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto), com foco na área dos Oceanos, e com o suporte do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, através da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

A atividade do STARLab irá futuramente envolver novos centros de I&D e universidades, de ambos os países, durante a fase de implementação.

“Não poderíamos ter melhores parceiros para o arranque deste projeto”, refere ainda o responsável da TEKEVER, “pois a Academia de Ciências Chinesa é um instituição de reconhecido valor científico a nível mundial, e o CEiiA irá trazer para o STARLab o know-how adquirido na observação in-situ dos oceanos, bem como uma reconhecida experiência na incorporação de novas tecnologias desenvolvidas pela indústria e pela academia nacionais “.

O STARLab possui metas a nível científico que passam pelo estudo de fenómenos naturais e os seus potenciais impactos sistémicos e ambientais, e para tal prevê o desenvolvimento de soluções tecnológicas baseadas, nomeadamente, em microssatélites e na sua integração com plataformas robóticas de exploração do mar profundo.

SOBRE O CEiiA:

O CEiiA é um Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto que concebe, desenvolve e opera produtos e serviços nas indústrias de mobilidade, nomeadamente Automóvel e Mobilidade Urbana, Aeronáutica, Mar e Espaço, com presença em vários países da Europa e da América Latina.
 
O CEiiA é um dos 10 maiores investidores de I&D em Portugal. É atualmente uma referência internacional na área da mobilidade sustentável e reconhecido no mundo aeronáutico pelas suas competências em engenheira de estruturas.
 
 
Tem evoluído em torno da identificação de oportunidades e da indução de grandes programas estruturantes para Portugal, envolvendo a indústria, as universidades e o universo das startups. Com o objetivo de contribuir para um novo modelo económico e industrial em Portugal, tem liderado programas como o KC-390 da Embraer, onde foi responsável por alguns dos principais módulos desde a fase de design até à certificação num total, até ao momento, mais de 500 mil horas de engenharia.

ÁREAS E PRINCIPAIS PROJETOS
 
Na Aeronáutica, o CEiiA desenvolve programas de grande dimensão com construtores internacionais, desde as fases preliminares de design até à certificação de aeroestruturas. Destacam-se, neste âmbito, o KC-390 da Embraer; vários projetos da Leonardo (LYNX, AW 101, AW 189, AW149, AW609, entre outros, com equipas em Itália e em Inglaterra); o Falcom SMS da Dassault (França) e o SKY da Marenco (Suíça).
> KC-390 –  É o maior avião da EMBRAER (3.º maior construtor do mundo) e o maior programa de engenharia desenvolvido em Portugal. Correspondeu até ao momento a mais de 500 mil horas de engenharia do CEiiA, realizadas por 170 engenheiros de 9 nacionalidades a trabalhar em pico a partir de Portugal. O CEiiA liderou a participação nacional com a OGMA e é responsável pelo desenvolvimento e certificação de três aeroestruturas – sponson, leme de profundidade, e a fuselagem central.
 
No Mar e Espaço, o CEiiA desenvolve sistemas de observação e monitorização do mar profundo (equipamentos colaborativos e sistemas de gestão de dados), associados às oportunidades da extensão da plataforma continental e de forma integrada com o projeto do Air Centre – Atlantic International Research Centre.  É parceiro de revelo nos principais consórcios nacionais neste âmbito, como é o caso do OCeantech e do INFANTE, que irá colocar em orbita o primeiro microssatélite modular 100% português.

> MEDUSA – É um AUV (Autonomous Underwater Vehicle) desenvolvido por um consórcio nacional, liderado pelo CEiiA, sendo o primeiro com capacidade para ir até três mil metros de profundidade.
> Marcas não-invasivas – O CEiiA desenvolveu um sistema de marcação não invasivo para jamantas e tubarões, que está em fase de produtização, numa parceria com o IMAR – Instituto do Mar e a televisão britânica BBC. As tags fornecem informações em tempo real sobre profundidade, temperatura e posição GPS e podem conter diferentes sensores como câmaras. O resultado poderá ser visto num documentário da BBC, que foi para o ar em Fevereiro de 2018.

OUTRAS REFERÊNCIAS

Volume de negócios: 16M€ em 2017 (mercado internacional 70%).
Total de engenheiros: 250 (o maior empregador de engenheiros aeronáuticos e aeroespaciais em Portugal). O CEiiA é a Entidade com maior volume de despesa em atividades de I&D em 2016, segundo o último Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional (IPCTN).

Tags